• Portimão dá palco aos artistas locais

    Notícias

    Portimão dá palco aos artistas locais

    Ler mais

  • Black Friday no comércio local

    Notícias

    Black Friday no comércio local

    Ler mais

  • Campanha “Eu quero o meu Natal - Eu Escolho Cumprir”

    Notícias

    Campanha “Eu quero o meu Natal - Eu Escolho Cumprir”

    Ler mais

03.07.2020

Presidente da Câmara Municipal de Portimão toma posição pública sobre a decisão do Governo britânico, que irá penalizar fortemente o turismo algarvio.

Na sequência da decisão do Governo britânico, hoje divulgada, de excluir Portugal dos "corredores de viagem internacionais", a presidente da Câmara Municipal de Portimão, Isilda Gomes, tomou a seguinte posição pública:

"Hoje é um dia triste para a economia do nosso Algarve!

A decisão do Governo britânico de nos excluir dos “corredores de viagem internacionais”, que permitem aos britânicos passarem férias sem cumprir quarentena no regresso, terá consequências muito complicadas no futuro próximo desta região, uma vez que este mercado representa cerca de 60% dos turistas que nos visitam.

Não consigo vislumbrar uma razão clara e objetiva para esta decisão!

No Algarve, temos 639 casos acumulados, somos 500.000 residentes, pelo que temos uma percentagem pouco mais de 0,1% de pessoas que foram ou estão infetadas com a Covid-19.

E é com um certo sentimento de incompreensão que vemos países com indicadores muito inferiores a Portugal, como é o caso do número de testes por um milhão de habitantes, serem considerados destinos seguros, sem obrigatoriedade de quarentena, e Portugal não.

Tenho ainda a esperança que esta decisão seja revista, um sentimento que julgo que é comum, não só aos milhares de residentes ingleses que vivem em perfeita segurança no Algarve, assim como a muitos britânicos que sabem que nesta região a situação da Covid-19 se encontra perfeitamente controlada.

Quero, por fim, expressar a minha total confiança nos profissionais de saúde, nos empresários e hoteleiros algarvios, assim como nas autoridades locais e regionais que têm sido um exemplo para o país e para a Europa, na resposta que empreenderam no combate e na prevenção à Covid-19. Sei que não irão desanimar e que, tal como eu, subscrevem o profundo sentimento de injustiça perante esta despropositada decisão do Governo britânico."