• Portimão, Um Sonho de Natal

    Notícias

    Portimão, Um Sonho de Natal

    Ler mais

  • Haverá, uma criação de Mariana Vasconcelos

    A não perder

    Haverá, uma criação de Mariana Vasconcelos

    Ler mais

  • Rallye Casinos do Algarve

    A não perder

    Rallye Casinos do Algarve

    Ler mais

14.05.2021

É já no próximo sábado 15 de maio, a partir da 10h00, que o Museu de Portimão irá revelar, através da exposição “Somos todas as Cores”, mais uma importante parte do conjunto das obras do escultor, ceramista e pintor alemão Hein Semke (1899-1995), resultantes da valiosa e generosa doação da sua mulher Teresa Balté.

Na base da doação das 1672 obras originais, que vieram enriquecer as coleções e o espólio do Museu de Portimão, a comemorar o seu 13º aniversário, pesou não só a valência museológica industrial, marítima e cultural desta instituição, mas também a ligação pessoal do escultor e da sua esposa à Praia da Rocha, onde passaram longas temporadas desde 1969.
 
Hein Semke, de seu nome completo Heinrich Albert Semke, nasceu em Hamburgo no ano de 1899, tendo aí iniciado a sua formação artística. Radicado em Portugal desde 1932, ao longo de mais de seis décadas aqui desenvolveu e consolidou a sua carreira artística.

No decorrer deste percurso, Hein Semke trouxe à vida artística portuguesa um inovador e importante contributo expressionista, de forte impacto visual, trabalhando em diversas áreas, destacando-se na escultura, pintura, desenho, colagem, gravura e, muito em especial, como grande renovador da cerâmica portuguesa.

Colega de Sarah Affonso, Júlio, Vieira da Silva, Arpad Szenes, Mário Eloy e Almada Negreiros, entre outros, participou em inúmeras exposições individuais e mostras coletivas, tendo sido condecorado com a Ordem de Mérito da antiga República Federal da Alemanha, em 1978, e com a comenda da Ordem do Infante D. Henrique, em 1990.

Com uma obra vastíssima, e tendo em conta o seu currículo e a relevância do espólio e do seu significado no panorama cultural e artístico nacional e internacional, encontra-se representado no Museu da Fundação Calouste Gulbenkian, no MNAC - Museu do Chiado, Museu Nacional do Azulejo, Museu Nacional Soares dos Reis, Museu de Lisboa, entre outros, assim como em numerosas coleções particulares e, mais recentemente, no Museu de Portimão.

Depois de “Todos somos Peixes”, em 2016, e "Reencontro", em 2019, esta nova exposição permite continuar a descobrir no Museu de Portimão alguns dos aspetos mais significativos do trabalho artístico de Hein Semke, desta vez sobre a figura humana e de como - pela sua muito própria criatividade estética, cromática e poética - aborda este tema.